junho 2008


O programa Olho Vivo foi lançado pela prefeitura no dia 12 de maio com vários propósitos como o de aumentar a transparência das viagens para os passageiros para que percam menos tempo no ponto. Mas segundo o teste que realizei nesta quarta feira, dia 4, ele apresentou diversos problemas que comprometem esse objetivo.

Durante vinte e cinco minutos – de 10:20 a 10:45 – em que fiquei acompanhamento o painel de informações do programa na parada Eldorado, constatei vários problemas. Os principais foram: a não exibição de diversos ônibus que passaram durante esse período e a amostragem de ônibus muito próximos ao ponto, com valores, no painel de “5 min.” ou “prox.” o que pouco auxilia quem depende de linhas mais demoradas.

Nas quatro linhas de informações que o visor tem, deixaram de ser exibidas vários ônibus que passaram durante o teste. Em 25 minutos passaram 4 ônibus da linha 7598 e apenas 1 foi informado, mais grave foi a omissão completa das linhas: 6250, 7651, 7903, 7454, 7606, 7566, 6206, 577T e 627R. Enquanto isso algumas linhas foram exibidas três vezes. A diferença entre o tempo previsto e o tempo de chagada do ônibus ficou em torno de 3 minutos.

Também constatei que os passageiros ainda não estão familiarizados com o sistema: de 14 pessoas questionadas no ponto, apenas 6 sabiam da existência do Olho Vivo e só 3 já tinham o utilizado. Para Simone, uma das poucas passageiras a buscar informações nos painéis, o sistema é ruim porque não apresenta o nome das linhas, apenas o número. “Eu não sou daqui, como vou me orientar apenas pelo número” ela diz.

Além dessas falhas, em alguns dias, foi constatado a ausência do serviço, como nos sábados, dias 31 de maio e 2 de junho e na segunda-feira, dia primeiro, em que os monitores exibiram “em manutenção”.

Quanto a todas esses problemas, não foi possível obter maiores informações da SPTrans, embora vários setores da empresa tenham sido contactados. No Centro de Atendimento ao Cliente o atendente informou que as informações disponíveis estão no site http://www.sptrans.com.br/olhovivo/ de onde não se pode obter resposta a essas falhas.

De acordo com o teste realizado nessa quarta, ainda faltam muitas correções para que o sistema possa, de fato, auxiliar passageiros a reduzir o tempo de viagem. pois embora tenha um monitoramento geral no site, não tem acesso a informações específicas das linhas e no ponto, onde poderia ter, se defronta com vários problemas.
Veja a notícia e as propostas oficiais do programa em http://www.sptrans.com.br/sptrans08/noticias/materias/2008/maio/12_olho_vivo.asp.

Praça da República, domingo, 19h30.

Estávamos no carro, saindo da Galeria Olido, quando avistamos algo meio inusitado um pouco mais à frente. O que é aquilo pendurado na traseira do ônibus? Uma aceleradinha no carro, e aí já dá pra ver direitinho… é um garoto!

A cena não é tão incomum para quem está acostumado a freqüentar o centro de São Paulo. Mas não deixa de ser um tanto perigosa.

Eu cheguei a ficar atrás do ônibus, pra fazer uma conversão, quando minha irmã ainda me alertou: “sai daí, porque se o menino cair…”

No final, o garoto gostou dos flashes, e fez até pose. “Tia, vai sair no jornal?”

« Página anterior

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.